Estranho

Estranho

Você está online e a minha vontade é de perguntar: “Qual é o seu problema?!”

Nossa história é um tanto complicada. Eu começo a gostar de você, dando início a “nossa história”, entre parenteses porque acho que a história é mais minha do que sua. Minha paixão começou na aula de violão, sabia que isso ia acontecer, pois eu me apaixono rápido. Era inevitável não sorrir quando você tocava sua guitarra. Foi estranho, porque eu já havia me apaixonado por você na quarta série. Você não mudou quase nada. O corte de cabelo continuava igual. Não sei se a sua personalidade tinha mudado, pois não falava com você naquela época, mas notei que continua quieto como sempre. Se não me engano, você tirava boas notas há quatro anos atrás, e agora parece que isso mudou. Não que eu me importe com isso.

Minhas amigas logo foram falar com você. Sem eu saber, claro, porque se eu soubesse, jamais teria permitido que elas fizessem uma coisa dessas. Quando voltaram com a resposta, congelei. Foi um dos dias mais felizes da minha vida. Elas disseram que você me achava bonita, e que sim, ficaria comigo. No dia seguinte fiquei sabendo que você disse a um amigo seu que ficaria comigo na minha festa. Uau. Minhas amigas foram logo tirar isso a limpo. Tudo o que eu queria ouvir da boca do seu amigo era que isso de você ficar comigo era verdade. Mas eu nunca soube ao certo se era verdade ou não.

Chegou o meu aniversário, e com isso, a festa. Claro que não podia deixar de te chamar. Você foi o primeiro nome da minha lista de convidados. Lembro do dia em que entreguei o convite a você. Minha amiga te chama, você vem e olha nos meus olhos, eu entrego, você sorri e eu sorrio de volta. Foi um momento inesquecível. Cheguei a achar que você gostava de mim. No dia em que eu fui confirmar sua presença e você disse que ia, nossa, fiquei com um sorriso no rosto pelo resto da semana. Aquela sensação era muito boa. No dia da festa, você me cumprimentou com um quase beijo no rosto, foi a única vez que me cumprimentou dessa maneira. Sentei na mesma mesa que você. Tiramos uma foto. Tenho ela aqui em meu computador até hoje. Minhas amigas falavam para eu te chamar para dar uma volta, mas eu não fiz isso. Vai que você recusava. Como eu ficaria o resto da festa? Tentei puxar assunto, mas sei lá, eu estava tão nervosa que não conseguia raciocinar direito. Depois do parabéns, o nosso fim e começo se aproximava. Você foi dar uma volta com um outro convidado da festa amigo meu. Pedi a ele que perguntasse para você o que achava de mim, e você não respondeu. Disse que eu era estranha com você. Essa estranheza era na verdade nervosismo. Mandei outra mensagem ao meu amigo dizendo que te odiava. Para falar a verdade não sei ao certo por que disse aquilo. Mas aí você viu a mensagem, e ficou bravo. Não sei se bravo é a definição certa para você naquele momento, mas que você ficou incomodado, ah se ficou. Tentei me explicar, mandei varias mensagens para você, e depois que a festa acabou, no carro, mandei outra mensagem dizendo que na verdade, eu gostava de você. Não disse que te amava, mas acho que deu para perceber que eu te queria. Já era tarde, mas ainda trocamos algumas sms, e nos entendemos.

Depois da nossa reconciliação, surgiu a ideia de montar uma banda. Complicado. Nossa banda nunca teve ensaio, reunião, nada. Absolutamente nada. No final, foi perda de tempo ficar fazendo planos para essa banda. Foi nessa época que você começou a ficar estranho. E passaram-se várias semanas, até que resolvi mandar uma sms perguntando por que estava esse clima estranho entre a gente e se tínhamos brigado, e você respondeu que não sabia e que não, não havíamos brigamos. Mas você continuou estranho e me ignorando. No começo eu sofri, até mais do que deveria. Mas depois isso passou, e aceitei que nós não nascemos um para o outro. Nem para sermos amigos, muito menos namorados.

Mas às vezes eu me pergunto se poderia ter sido diferente, se foi culpa minha nós estarmos assim. Se eu não tivesse mandado aquela mensagem, ainda estaríamos nos falando? Mas eu acredito que se aconteceu, era para ser assim. Vou continuar acreditando nisso. Sei que novas coisas vão acontecer, novos amores irão aparecer. E a vida continua.

Será?

Será?

Vejo que você está online no chat. Não puxo assunto até você vir falar comigo. Fico esperando você dizer algo, mas nada acontece. Será que você também fica esperando que eu vá falar com você primeiro? Será que algum dia eu vou saber? Será que você sente a mesma coisa que eu sinto por você? Será que você tem vontade de dizer um “eu te amo” de verdade? Não só dizer por dizer. Será? Será que você já ficou alguma noite sem conseguir dormir porque ficou pensando em mim? Será que você olha meu perfil nas redes sociais todos os dias? Será que você sente ciúmes quando eu falo de algum garoto pra você? Será que quando você diz que não tem mesmo uma namorada, é uma indireta para eu saber que você está, digamos, livre? Será que quando você diz “também te amo” você realmente me ama?

Primeiro fato: acho que nunca saberei a verdade. Nós nem nos falamos mais com tanta frequência, e nem daquele jeito que falávamos há algumas semanas atrás. Agora devo me perguntar: eu ainda te amo? Ainda tenho aquele sentimento que tinha quando começamos a ser amigos? Nunca mais te disse “eu te amo”, e nem você mandou coraçõezinhos. Segundo fato: se você me mandar algum coraçãozinho, por mais que eu não queira, eu irei dizer “eu te amo”. É impressionante como não consigo me controlar. Ou pelo menos, não conseguia. Porque hoje é diferente. Eu consigo me despedir sem dizer aquelas três palavrinhas. Será que isso é a prova de que eu não te amo mais como antes? Isso chama o terceiro fato: acho que só saberei isso quando te ver. Aliás, fico pensando qual será a minha reação ao ver você. Será que vou rir? Será que vou te abraçar? Será que você vai querer me abraçar?

Como aconteceu

Como aconteceu

Quando te conheci, sabia que era possível isso acontecer. Mas não sabia que seria tão rápido e tão verdadeiro. Sim, digamos, eu te amo. Te amo mais que o normal. Te amo mais do que podia imaginar que amaria alguém. Como percebi isso? De várias maneiras. Quando você dizia “bu” no chat, eu abria um sorriso. Quando você postava alguma coisa mencionando o nome de outra garota, eu sentia ciúmes. Quando você não estava online, ficava imaginando o que você poderia estar fazendo. Mas eu pude ter certeza, quando em uma noite eu não consegui dormir, pois você não saia do meu pensamento. Antes eu não acreditava que poderia estar apaixonada por você, mas depois daquela noite em claro, percebi que realmente gostava de você. Queria te ver, te abraçar, sentir o seu cheiro, olhar nos seus olhos e dizer “finalmente”. Finalmente estou na sua frente, cara a cara. E finalmente, posso dizer “eu te amo” olhando em seus olhos.

Esses dias estava mexendo no computador e uma frase chamou minha atenção, ela dizia: “Eu senti que era amor quando depois do ‘boa noite’ havia uma vontade descontrolável de dizer ‘eu te amo'”. Parei. Essa frase dizia tudo. Lembro-me de como foi a primeira vez que disse “eu te amo” a você. Foi tão estranho. Nunca havia dito isso a um garoto. Mas era tão natural, tão bom dizer isso. E a primeira vez que você  respondeu um “eu também”. Nossa. Fui dormir com o maior sorriso do mundo no rosto, me sentindo a pessoa mais especial do mundo. Se quando você me mandava coraçõezinhos no final das nossas conversas eu já ficava feliz, imagine agora.

Bom, esse foi mais um texto escrito pensando em você. Para variar. Você vem sendo a minha inspiração para todos os textos que escrevo. E acho que vai continuar sendo por mais um bom tempo.

E se

E se

” ‘E’ e ‘Se’ são duas palavras tão inofensivas quanto qualquer palavra. Mas coloque-as juntas, lado a lado, e elas têm o poder de assombrá-la pelo resto de sua vida.
E se?… E se? E se?
Não sei como sua história acabou. Mas se o que você sentia na época era amor verdadeiro, então nunca é tarde demais. Se era verdadeiro, então, por que não o seria agora? Você só precisa ter coragem para seguir seu coração.”

Essa é uma parte da carta escrita por Sophie em Cartas para Julieta que é um dos filmes mais lindos e apaixonantes que já vi (e vi muitas vezes). Esse filme, e especificamente, a carta, me deram inspiração para a criação desse texto.

“E se” realmente pode nos assombrar. A dúvida de saber se algo vai acontecer ou as consequências de um ato, nos matam por dentro. Dúvida. É cruel ter esse sentimento, em qualquer circunstância. Às vezes não sabemos o que fazer, e na dúvida fazemos o que o coração manda. É assim que deve ser. Quando estamos amando e não sabemos se a pessoa amada sente o mesmo, é dificil, mas se seu coração achar que seu amado ou amada gosta de você e quer ficar ao seu lado, sim, você deve expressar seus sentimentos à ela, porque o coração não falha. Ele nos dá a resposta àquilo que procuramos.

Ficar pensando se devemos ou não fazer o que o coração manda, é perda de tempo. Como diz a carta, tenha coragem para seguir seu coração.

O que tenho escutado: Dezembro

O que tenho escutado: Dezembro

Ouço uma música e lembro de algo ou alguém. É sempre assim comigo. Gosto de ouvir quase todos os estilos musicais, e sempre procuro saber de bandas ou cantores novos. Também gosto muito de covers. Acho até que alguns covers são melhores que as músicas originais. Dito o meu gosto musical, vamos às músicas que estou ouvindo ultimamente.

1. Ben Rector – White Dress

Eu simplesmente estou apaixonada por essa música. Não sai da minha cabeça. Ela é super gostosa de ouvir e super romântica também. Dá vontade de viver um romance ao ouvi-la. Nunca tinha escutado nada desse cantor, mas já me apaixonei por ele.

2. Taylor Swift – Red

Música perfeita. Uma das minhas preferidas da Taylor. Amo a Taylor.

3. Enrique Iglesias – Finally Found You ft. Sammy Adams

Outra música que dá vontade de se apaixonar por alguém. É bem baladinha, super dançante, perfeita para o final de semana.

4. The Script – Hall of Fame ft. will.i.am

Estou amando essa música também. Esse é o tipo de  música que nos dá vontade de conseguir as coisas.

5. Sum 41 – In Too Deep

Ótima para animar as festas na piscina. O clipe também é super divertido.

6. Train – Shake Up Christmas

Para entrar no clima do natal. É super gostosa de ouvir, ainda mais agora que faltam poucos dias para o natal 😀

Espero que tenham gostado.

Até a próxima.

 

Nunca o viu, mas sente saudade

Nunca o viu, mas sente saudade

Queria fazer novos amigos na cidade em que minha tia mora, então, pedi a ajuda da minha amiga que mora lá. Olhei os amigos dela no Facebook, e apenas uma foto que me interessou. Disse à minha amiga e, então, ela me colocou na conversa com ele. Nossa primeira conversa. Foi bem divertida, até. Depois de um tempo, minha colega saiu e me deixou falando sozinha com ele. Começamos a falar sobre trotes. Foi bem engraçado. Acho que só falamos sobre isso pelo resto da conversa. Quando saí – já era bem tarde – fui logo me deitar, com um sorriso no rosto por ter conhecido uma pessoa tão legal, e sabia que ali começava uma grande amizade.

No outro dia ele me chamou no chat para falar novamente sobre trotes, pois é, esse foi o assunto das nossas conversas por mais alguns dias. Mas eu até que gostava de falar sobre isso. Depois de algum tempo o assunto das conversas foi mudando, e ficando cada vez mais legal falar com ele. Nos falávamos quase todos os dias, e os assuntos se diversificando. Sim, eu gostava de falar com ele.

Depois de alguns dias comecei a sentir algo estranho, não sabia o que era, mas deixei quieto. Continuei conversando normal com ele. Até que um dia, não sei o que aconteceu comigo, mas cheguei à conclusão de que gostava dele. Gostava como mais que um amigo. FIM DO MUNDO. Isso não poderia estar acontecendo, não eram esses os meus planos. Como eu poderia gostar de alguém que nunca tinha visto?! Fiquei nervosa, e comecei a mandar indiretas de amor para ele, e é claro que ele percebeu, disse que eu estava estranha, diferente de quando me conheceu, e que queria dizer algo a ele, mas não conseguia. Estava tão na cara assim? Já era tarde, então saí. O clima entre nós ficou muito estranho, então decidi ficar uns dias sem falar com ele.

Depois de algum tempo voltamos a nos falar, e percebi que estava tudo bem, que aquilo foi esquecido, e cheguei à conclusão de que o queria apenas como amigo.

Precisava muito ir à cidade da minha tia rever meus amigos, e ele. Queria muito conhece-lo pessoalmente. Certo dia decidimos falar pela webcam. Pude vê-lo. Ele fazia caretas e era muito engraçado, como a voz. A voz dele era muito engraçada, mas ele tinha um rosto muito, digamos, angelical. Eu não queria aparecer, mas prometi que no dia seguinte apareceria. No outro dia eu tive que me mostrar, e foi muito engraçado, pois ele ficava falando coisas muito engraçadas. Depois disso, nos falamos pela webcam quase todos os dias, mas apenas eu aparecia. Eu e meu primo, que tem um ano. Ele gostava de ver meu primo, então toda vez que ele aparecia, eu ligava a webcam para mostra-lo. Ficávamos até às 3 horas da manhã conversando.

Passaram-se vários dias, e em uma certa noite ele ficou estranho, começou a ficar chato, ignorante, e então parei de falar com ele. Simplesmente nossas risadas, nossas conversas até altas horas, acabaram.

Essa é uma história ainda está acontecendo, por isso não tem um final. A parte dois contará o que aconteceu depois, aguardem.